Meu Livro

de Cabeceira

Intervenção Urbana, 2011

ESCREVER                            ANDAR                              COMPOR

 

A performer, sentada na calçada, escreve durante 50 minutos ininterruptamente em seu corpo. Após ser instigada pela frase de um transeunte “Não tem mais nada a fazer?”, levanta-se lentamente e anda de costas até a Igreja Santa Filomena, percurso de 800m. Durante o trajeto ora escreve no seu corpo, ora na calçada, no poste, na faixa de pedestre, na cruz vermelha da farmácia, no chão da praça... Compondo, assim, uma poética com a urbes.

 

"Perdida em minha própria cidade, pois de costas o território me parece estranho, vou sentindo o fluxo urbano na contra mão, nele vou sentindo cheiros, vendo rachaduras na calçada e nas construções, percebendo olhares e corpos mudos que me “avisam” quando esbarro em algo. Com a minha pemba  deixo um rastro provisório, resíduos que serão apagados pelo tempo e pelos passos dos transeuntes."

 

Meu livro de Cabeceira

2011

Intervenção Urbana

 

Pemba, guarda-chuva quebrado e caneta hidrográfica.

2h30mimde duração

Região central da cidade, São Bernardo do Campo

Fotos: Rocco Ribeiro